Páginas

domingo, 25 de dezembro de 2011

Chegou o verão!-Postagem de aniversário

"A estação do ano chegou!"
Que bela e linda coisa é o nosso maravilhoso e querido verão.Para alguns é uma das estações mis esperadas do ano,para outros e o momento de de muita falta de paciencia.Calor,forte e passageiras chuvas,sol,praia,trovoadas e temporais.Genericamente essa é a característica do verão em nosso país tropical,com áreas subtropicais e com um grande costa litoranea.Gostamos tanto do verão,pois é nele que temos férias e curtimos,aproveitamos e saboreamos com nossos amigos,familiares e com toda a galera,fazendo coisas maravilhosas,ou não,ficando exelentes e brilhantes marcas.

Nada melhor para festejar um momento especial do que com o verão. É com essa postagem que comemoramos o nosso primeiro aniversário,agradecemos à todos pela figurinha carimbada,pela presença e por todos os comentários...São os nossos verdadeiros votos de agradecimento..

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Lucilene Reginaldo



Profissão:Professora.

A nossa primeira entrevistada é Lucilene Reginaldo - Professora de Teoria e Metodologia da História e História da África do Departamento de Ciências Humanas e Filosofia da UEFS, com Graduação e Mestrado em História pela PUC/SP e Doutorado em História Social pela UNICAMP e Professora da UEFS desde 1997- fala sobre a sua vida de historiadora, a profissão e os problemas da classe.

Como aconteceu a escolha de sua profissão?


Não tive conflitos na escolha do curso de graduação. No segundo grau eu gostava muito de literatura e de história. Estas eram, portanto, minhas duas opções. Também queria ser professora e, mesmo sem saber muito bem o que era, tinha interesse pela pesquisa em história, especialmente sobre a história do negro no Brasil. Participava de um grupo de teatro, de movimentos populares e movimento negro e havia, nestes espaços, a discussão de que a história do Brasil estava mal contada pois só tratava da história dos poderosos, dos dominadores, dos ricos. Eu queria pesquisar e contar outras histórias do Brasil, acho que isso me fez escolher o curso de História, sem conflitos. Me identifiquei com o curso logo nos primeiros semestres. Gostava das leituras, das discussões e do ambiente da universidade. No segundo ano do curso recebi uma bolsa de iniciação científica do CNPq. Com a bolsa pude comprar livros, dedicar-me integralmente aos estudos e conhecer mais de perto o que era a pesquisa histórica.


Como você definiria a disciplina História?


A História, como todas as disciplinas e ciências, ao longo do século XX, passou por muitas mudanças. Talvez a mais importante foi reconhecer que a História não faz previsões para o futuro e nem conta o passado tal qual ele aconteceu. A História, através dos métodos de investigação busca aproximações com o passado, por isso a investigação não termina nunca pois sempre se pode encontrar novos documentos, ou a partir de novos interesses, fazer novas perguntas ao passado. De outra parte, o passado pode ajudar a refletir sobre o presente e construir um futuro melhor. Por exemplo, a história da escravidão de negros e índios, no passado, mostra a necessidade das cotas/ações afirmativas direcionadas a estes grupos nas universidades públicas na atualidade. Nesse caso, a História pode ajudar a reconhecer e reparar injustiças e violências cometidas. Foi este argumento, o da reparação da violência, que justificou a criação do Estado de Israel em 1948.


O que acha das unidades de ensino?


Sou professora da UEFS, do Departamento de Ciências Humanas e Filosofia. Penso que nossa universidade oferece boas condições de trabalho e oportunidades para melhorarmos. Mas, é importante dizer que, numa universidade pública, o empenho dos professores na elaboração de projetos e grupos de pesquisa é fundamental para melhorar as condições e infra-estrutura do universidade. Através destes projetos captamos recursos das agências nacionais de financiamento, fazemos parcerias com outras universidades públicas, conseguimos bolsas para estudantes de graduação.


E a remuneração?


No Brasil, de modo geral, os professores são mal pagos. Isso se explica pela pouca importância dada à Educação em nosso país. Acho que a valorização dos professores precisa começar no ensino básico/fundamental. Os professores das primeiras letras precisam ser muito bem formados, precisam estudar e receber salários dignos e compatíveis com sua importância social.

Decepção


As vezes o certo e melhor é pensar na vida ,pois pensar nas pessoas é quase uma utopia,na contemporaneidade.
Amamos nosso pais,filhos,irmãs,familiares e grande número de nossos amigos,mas é inevitável não ter que agir com indiferença diante de pessoas rudes,mesquinhas e egoístas.É,talvez,por isso que agimos de forma fria com as pessoas,como uma de proteção contra os maquiavélicos e a favor de nossos sentimentos,evitando dores.
Superar decepção amorosaA decepção pode ser  uma das dores mais profundas,pois nossas expectativas foram destruídas e dilaceradas diante de quem tanto esperamos,ou ainda,de nós próprios em nosso complexo interior.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Dia Mundial de Luta à Aids

A Assembléia Mundial de Saúde, tendo o apoio da ONU,instituiu a data de 1º de dezembro como o Dia Mundial de Luta à Aids em 1987, ainda como forma de alerta. No Brasil, um ano depois, o Ministério da Saúde oficializou a data, que passou a ser um símbolo mundial no combate para a  doença. O vírus HIV foi descoberto na França, em 1979, pelo instituto Pasteur.Faça parte. Conheça o que é feito para combater a Aids e para conscientizar a população.




O dia escolhido foi estabelecido para lembrarmos da existência do vírus HIV e da doença Aids, como forma de conscientizar a população mundial. Embora os avanços tecnológicos da área da saúde estejam mais otimistas, é bom lembrar, não há cura para quem está acometido com a doença, que ainda faz muitas vítimas e mortes a cada ano.