Páginas

sábado, 2 de junho de 2012

As religiões do amor 5/5


78 Ainda que eu ande pelo vale das sombras da morte... 

(5/5)

Parecia que sentia uma força contra a abertura dos meus olhos, mas aos poucos e com muita labuta consegui, finalmente, abri-los. Era tudo escuro, eu estava deitada no meio de uma escuridão e comecei angustiar-me, pois tinha medo de me levantar e fiquei engatinhando procurando uma saída. Parecia um horror, as horas pareciam nunca passar, mas ela estava passando, até, que no fim do horizonte, vi uma luz, um brilho irradiante e caminhei em sua direção.





Os meus primeiros passos eram de medo e desconfiança do que podia vir, mas, aos poucos, ganhei coragem e os meus passos curtos e desconfiados tornaram-se passos longos de curiosidade. Apesar de muito andar, a luz parecia nunca chegar e a distancia parecia infinita.

Angustiada, percebi que aos poucos a luz aumentava e a claridade que incomodava os meus olhos, fazia aos poucos uma cegueira temporária, mas, eu, de olhos fechados, persistia ao caminhar e com tamanha fúria comecei correr com uma vontade incessante de descobrir a origem de toda aquela luz, mas, aos poucos, ela subia e sem perceber cheguei ao ponto que ela estava em cima de mim. Olhei para cima e vi uma grande bola luminosa descer rapidamente, até eu sentir o impacto de sua energia, com um grande estrondo como um trovão, que entrou em mim com um vento forte, que parecia um espírito, e me abraçava como um homem/irmão e me acolheu como pai.

Durante muito tempo fiquei parada com toda aquela sensação anestesiante e só depois de acostumada, comecei pensar e veio-me todas as desventuras, aventuras, em vida e, por fim, dei-me conta que estava morta, a minha vida tinha findado, eu sabia.

Mas que sensação era aquela?

Que energia é essa?

Depois de muito refletir e de tantas visões que foram me mostradas, percebi que estava dentro de alguém, adentrei-me dentro de Deus.

Fim ]



14 comentários:

  1. Bonita as sensações ao caminhar para luz, bonito esse adentrar da sua personagem. Muito bom seu texto!

    http://efemeridesaovento.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado e espero que verdadeiramente tenha gostado...

      Excluir
  2. isso deve sensação muito forte

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Imagine um luz forte,mais a sensação que sente quando o elevador desce ou para e o seu ouvido tampado pela pressão...Foi parecido com o que ela sentiu e eu senti por ela ao escrever.

      Excluir
  3. Continue.... e quando adentrou, qual o sentimento que você teve? estamos curiosas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse é o fim...Infelizmente foi uma trajetória que acabou-se nele....
      Mas o resto é só imaginar...Nem todos os mistérios podem ser revelados.

      Excluir
  4. Nossa, adorei o final. Tão intenso e lindo. Me passou inúmeras sensações, me fez viver aquela personagem mesmo. Parabéns pelo trabalho, muito interessante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Percebi que você acompanhou inúmeras partes, se não todas. Não sei se foi coincidência ou você esta espiando e pronta para comentar, mas de fato, agradeço pela sua participação de comentarista...
      Agradeço pelas parabenizações.

      Excluir
  5. Willivan.,, confesso que estou a dias tentando arrumar tempo pra ler desde o início. kkkk mas está difícil. Até o final dessa semana eu prometo que faço isso. rsrs


    errosxacertos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Blog sensacional, parabens!!!

    to seguindooo de voltaaaa

    ResponderExcluir
  7. Muito lindo o texto ...


    http://andyantunes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir