Páginas

sexta-feira, 1 de junho de 2012

As religiões do amor. 4/5


77 Fecho os olhos pra não ver passar o tempo
Sinto falta de você...

Anjo bom, amor perfeito no meu peito.

[Amor Perfeito]


(4/5)


Os nossos lábios se tocaram e parecia que a magia, de todas as bruxas e feiticeiras, acontecia em nossos corações. Os nossos corpos recebiam um êxtase, que aflorava as nossas mentes e nos suscitava, uma e muitas outras emoções. No dia seguinte, o seu romantismo, me enviou flores e a minha vida, cada momento que lembrava dele, ficava mais animada e fazia mais sentido. Desta forma, passamos diariamente, nos conhecendo e nossos corpos pareciam enigmas que quando se fundiam, eram indecifráveis. Em um ano e meio, noivamos e com mais dois casamos, uma bela lua de mel, fizemos um cruzeiro pela costa Latina Americana e quando voltamos incorporamos nossas vidas, eu a dele e ela a minha; o nosso amor, eu o seu e ele o meu e tornamo- nos um corpo.
Depois da cerimônia, dirigi a minha casa, fiz alguns telefonemas para tratar da venda. Não queria ter lembranças de uma vida que se foi e que eu tanto amei. Larguei o trabalho e voltei para a casa dos meus pais, queria começar uma nova vida. Mas durante muito tempo, nada foi fácil, enfrentei o meu próprio eu, as minhas próprias lembranças. Não acreditava em superioridades e passei a crer na vida única da terra. Neste momento não havia, para mim, a existência um ser superior que determinava os meus ganhos e as minhas perdas, mas não combatia a sua existência, como também, parei de evocar. Deus, deuses e deusas, santos e santas não existiam para mim, a vida era terrena e, aqui, deveria ser vivida.

Dentro de um ano, não estava empregada na melhor empresa do mundo, após ter feito todas aquelas loucuras, mas estava no melhor para minha carreira e para a cidade que escolhi viver. E foi lá, que encontrei meu atual marido, o Roger.

Atualmente, 30 anos depois de todos os fatos ocorridos, quase a minha lembrança não gera tantas emoções dentro de mim. Até que hoje, mexendo nos papéis velhos da biblioteca, encontrei um convite, com dois nomes: Júlio e Marta. Éramos, dois eu e ele, que lutava para amar e amava para vencer todas as lutas. Peguei o convite, olhei várias vezes, tive várias lembranças. Uma lágrima escorreu sobre o meu rosto, ela tinha um gosto de sangue e, ao meu ver, possuía a sua cor que tingiu todo o meu rosto e começou atingir ao meu corpo. E assim, aos poucos, minha mão abriu-se, deixando o papel cair e, eu, senti levemente meu corpo sendo empurrado pela gravidade e sem ter a capacidade de lutar debrucei-me sobre o chão e, os meus olhos, como se fora um sono forte, foram fechando, que tivesse me atingido, fizesse as suas perseguições e sem força eu não resistisse.

5 comentários:

  1. Espero que realmente tenha gostado...Obrigado pelo comentário.

    ResponderExcluir
  2. Respostas
    1. Bastante inteligente seu comentário.Resumiu todo um texto de 43 linhas em um adjetivo: "BOM"; com um adverbio de intensidade:"MUITO".Portanto duas linhas.Agradeço pelo seu comentário. (KKKKKKKKKKKKK)

      Excluir